quinta-feira, 7 de novembro de 2013

A colonização...




Marte, 2 de janeiro de 2150.


       O cargueiro Anúbis se aproximava da superfície marciana próximo aos canais Percival de Lowell, onde os terráqueos já haviam se instalado no planeta desde 2030 e uma atmosfera adaptável ao nível subterrâneo já havia sido construiída. O pouso de um cargueriro dessa magnetude porém ainda não havia sido testada. O piloto Edwar Jonh Victor  da Nasa Mart fazia a sua segunda viagem a Terra para trazer suprimentos, uma vez que os recursos produzidos em Marte não  eram suficientes para uma colonização definitiva.  Haviam muitos intereses a bordo e a nave não poderia arriscar-se a  pousar com a possiblidade de  danificar os equipamento de bordo nem a preciosa carga de células fotoeletricas de ultima geração feitas com placas de ouro e grafite.

         Já havia um destino certo para a pequena e potente estação de energia eletrica no Planeta Vermelho, toda energia seria utilizada no derretimento de uma calota  de gelo encontrada a 100 metros de profundidade e que poderia ser bombada até as cavernas onde pequenos kibuytz estavam sendo contruidos.

          O presidente Americano Salty Andryns também estava na comitiva de viagem e queria ver de perto uma dessas moradias polulares, a torre de controle já havia repassado as cordenadas as  mas um vento de magnitude 5 impedia a aproximação na atmosfera do planeta uma vez que as mudanças introduzidas por bactérias´primeitivas e outros organismos  sintéticos mutantes tentavam criar um ar rarefeito e uma atmosfera primitiva selhementantes ao do Planeta Terra.

.         Devido a grande esterelidade do planeta  vermelho na sua superfíce só restava aos seres humanos a priori  subsitirem  em túneis feitos por topeiras mecânicas a mais de 50 metros de profundidade...

 

Fragmento de texto extraido do meu primeiro livro de ficção: “A colonização” se levo jeito para o negócio comente... please!